Open Site Navigation

Fábio Assunção e a excelente gestão de crises...


Uma faixa estreita dando foco apenas nos olhos azuius do ator Fábio Assunção. O fundo é uma parede cinza
Essa semana, Fábio Assunção deu uma aula ao Brasil sobre gestão de crises.

O Galã global, veterano de tantas novelas, tem um problema de conhecimento público com sua dependência química. O ator é assumidamente usuário de drogas, incluindo o álcool. Um consumo que marcou negativamente algumas passagens de sua vida. Reflexo disso, eram algumas matérias maldosas que invadiam a internet, tentando desconstruir a imagem do ator, frente ao público. Um grave problema.


As estratégias observadas até então era a ausência das notícias, até que as maldades parassem, e sim, geralmente funciona, mas é como um remédio paliativo, reduz os sintoma, no caso as notícias maldosas, mas não resolve o problema.


A situação vinha se complicando com o tempo, as opções políticas do ator também o colocavam no centro do alvo da maldade de haters, até que, recentemente, o ator se viu atacado mais uma vez. Um artista gravou uma música, onde seu nome é a referência principal para a música que diz: "Hoje eu vou beber / hoje eu vou ficar doidão / eu não quero voltar para minha casa, não / Hoje eu vou virar, o Fábio Assunção". Pronto, um mundo de memes nasceu, "Fábio Assunção" virou gíria que significa "Aquele que fica muito louco" e isso não é bom para a imagem de ninguém, muito menos para quem depende da aceitação do público para realizar seu trabalho.

Fábio Assunção vestindo um blazer preto, com camisa branca enquanto olha em direção ao apresentador.
Fábio Assunção, no programa "Conversa com Bial"

É um caso claro de "danos morais" e muito provavelmente "materiais" já que a imagem do artista fica comprometida e ele pode ser rejeitado para muitos trabalhos. Percebendo isso, Fábio e seu advogado procuraram o cantor "Bartz" e ao invés do que muitos fariam e poderiam imaginar que o Fábio fosse fazer, não tentaram censurar a música, abafar o caso e nem processar o jovem músico em ascensão, pedindo indenização. Muito pelo contrário, o ator aceitou que a música já caiu no gosto dos jovens e que é uma das fortes concorrentes para ser o hit do carnaval, por isso, concordou que o cantor Bartz continue executando a música e fazendo sucesso com ela, desde que, a renda fosse totalmente revertida para instituições de amparo, acolhida e tratamento de dependentes químicos.


Todos estamos sujeitos a cometer erros, ou a sermos tragados por doenças, como a dependência que acomete o ator Fábio Assunção, mas se para cada erro que cometemos, tivéssemos a capacidade de gerar um bem maior, tudo seria diferente. Ele resolveu usar a "má fama" que a música poderia lhe render, para conscientizar os jovens.


A gestão de crises? Bom, infelizmente, não foi a benV que conduziu, mas com certeza, assessorado ou não, o Fábio fez uma ótima gestão de crises. Tem dúvidas? Joga o nome dele no google, as primeiras matérias, onde antes haviam críticas e maldades, agora são todas sobre a "ótima ideia" de liberar o hit, em troca de apoio para as pessoas que precisam.


Isso é um bom trabalho de gestão de crises e recuperação de reputação. Parabéns Fábio!


Ficou com dúvidas? Pergunte nos comentários no final da página, ou fale conosco, estamos prontos para ajudar.